O Ar condicionado na vida de um asmático

No verão com temperaturas elevadas, os locais que normalmente frequentamos estão sempre refrigerados. O ar condicionado tornou-se uma necessidade nas nossas casas, e locais de trabalho.
Porém, os efeitos da climatização podem ser nocivos e resultar na potenciação de problemas respiratórios ou agravar doenças como a asma.
Muitas vezes, as pessoas são sensíveis às diferenças de temperatura e aos agentes alergénicos contidos nos filtros destes aparelhos e ocorrem reações alérgicas como tosse, espirros, secura na garganta, irritação nos olhos e dores de cabeça.
As alergias respiratórias, já por si comuns na primavera e verão, podem ser desencadeadas quando os filtros de ar dos aparelhos de climatização não estão preparados para reter certas micropartículas: fungos, bactérias, mofos, ácaros e vírus. Existe uma redução da captação do ar externo e dá-se um aumento dos poluentes biológicos no ar interno, não sendo possível uma suficiente renovação do ar. Salas amplas e cheias de gente a trabalhar, acabam por se tornar ambientes doentios, criando condições ideais à proliferação de doenças.
Em situações mais graves de contacto com ambientes climatizados existem pessoas que relatam ter crises de espirros e, no caso daqueles que sofrem de rinite, acontece também a inflamação nas mucosas nasais e olhos. Se é verdade que não podemos viver sem ligar o ar condicionado, também é verdade que existem algumas formas de evitar o exagero no seu uso. Deixamos-lhe algumas dicas.

• Evitar os choques de temperatura ao sair de um local climatizado. Não exagerar nas temperaturas (no caso muito frio no verão);
• Beber muita água para combater a secura na garganta que ocorre com a diminuição do oxigénio devido ao ar que provém dos aparelhos;

Use a Rainbow para purificar o Ar, da sua sala ou escritório de modo a eliminar os fungos, ácaros e mofo que são acumulados pelo ar condicionado e libertados em cada uso.

Limpe os filtros do ar condicionado regularmente com a rainbow e tenha uma vida normal sem crises.

 

 

Artigos recomendados

Deixe o seu comentário

0

Pesquisa